sexta-feira, 15 de março de 2013

Conhecer o legado do arcebispo D. Rodrigo



O legado do Arcebispo D. Rodrigo de Moura Telles na cidade de Braga vai ser o destaque do segundo Percurso Barroco, uma iniciativa conjunta da Braga + e da JovemCoop, que pretende ajudar os bracarenses a conhecerem e a valorizarem o seu património.

Esta iniciativa está agendada para amanhã, dia 16 de março, e tem início marcado para as 09h30, na porta principal da Sé de Braga.

O percurso, que vai tentar reescrever as obras patrocinadas por um dos prelados mais importantes da história bracarense, na tentativa de reinterpretar, à luz do contexto vivido por Braga no início do século XVIII, os artistas, os monumentos e as iniciativas que tiveram D. Rodrigo de Moura Telles como protagonista.

A primeira obra a ser apreciada vai ser a capela de S. Geraldo, na Sé Primaz, onde o prelado está sepultado. Em seguida, os participantes vão poder admirar os sapatos que D. Rodrigo utilizava para aceder à mesa das celebrações que, devido á sua reduzida estatura, exigiam um tacão monumental.

O percurso vai contar ainda com passagens pela capela de S. Sebastião das Carvalheiras, largo do Paço e igreja da Penha.

Ainda não confirmada está a visita ao recolhimento de Santa Maria Madalena ou das Convertidas, que é um dos maiores legados deste arcebispo. A visita vai concluir-se com passagens pelo campo Novo, projeto urbanístico elaborado durante a prelazia de D. Rodrigo de Moura Telles, e pela capela de Guadalupe, outra das ermidas reconstruídas no período que intermediou os anos 1704 e 1728.

As inscrições, e demais informações, estão disponíveis nos sites da JovemCoop e da Braga +, ou nas respetivas páginas do facebook.

Esta iniciativa conta ainda com a colaboração da Fundação Cultural Bracara Augusta que, no seguimento da Capital Europeia da Juventude, continuam a garantir uma colaboração a nível logístico.

No próximo dia 30 de março, as duas associações promovem novo percurso sobre o legado de D. Rodrigo de Moura Telles, desta feita com uma caminhada até ao santuário do Bom Jesus do Monte.

2 comentários:

  1. O quadro merece uma descrição.

    ResponderEliminar
  2. Dos Fastos:
    “Este interessante quadro, com o retrato do Arcebispo D. Rodrigo de Moura Telles ao centro, tem no fundo a seguinte inscripção: «D. Rodrigo de Moura Telles, Arcebispo de Braga e Primaz das Hespanhas, premeditando grandezas eguaes ao seu animo, illustra o Arcebispado com sumptuosos edificios para sua memoria, e funda, em 1723, n’esta Cathedral, a Irmandade das Almas, de que foi Juiz perpetuo». No alto está Braga (Arcada, Castello, e Pelourinho ?); em baixo, o brazão prelatício; e, em volta, as obras fundadas ou auxiliadas pelo Arcebispo, a saber, á direita: Nossa Senhora da Apparecida (Igreja); Convento de S. Bento, de Vianna; Santa Quiteria (Igreja); Bom Jesus de Fão; Convento de Barcellos; Santa Maria Magdalena (Falperra); Convento dos Remedios (Braga); Convento de Chaves; Aljube de Valença; e Hospital de Braga; á esquerda: Terceiros (Igreja, Braga); Penha de França (Convento e Igreja, Braga); Aljube de Braga; S. Vicente (Igreja, Braga); S. Sebastião das Carvalheiras (Braga); Chafariz do Paço; Guadalupe (Braga); Convertidas (Braga); Congregados (Braga); e Aljube da Torre (Moncorvo).
    O Arcebispo, como disse, está ao centro do quadro n’uma oval, exibindo na mão direita o seu brazão, e dentro da mesma oval, em frente, fica-lhe o Bom Jesus do Monte desde o Portico até ao Templo e Capellas adjacentes.
    O referido quadro é, como se vê, uma grata e erudita homenagem da Irmandade das Almas, da Sé Primaz, á santa memoria do seu fundador e benfeitor”.

    ResponderEliminar