terça-feira, 29 de novembro de 2011

A conversão de Mesquita Machado

A história da Igreja está recheada de vidas fantásticas de homens e mulheres que, de um percurso de pecados e má conduta passam a perceber a vantagem divina das virtudes. Seguramente que cada um de nós está sujeito também a mudanças comportamentais derivadas geralmente de acontecimentos e pessoas marcantes. É o que vulgarmente se chama de conversão, e aconteceu com muitos famosos ao longo da história, desde Maria Madalena, São Paulo, Constantino Magno...
Ao observar e analisar o recente comportamento de Mesquita Machado fica também a dúvida se estaremos diante de uma conversão (e que ninguém ponha de lado esta hipótese!)...
Para além da alegada colaboração com a oposição no processo de negociação da antiga fábrica Confiança; temos um admirável interesse pela recuperação da zona histórica dos Galos, anos após de insensibilidades e projectos urbanísticos aprovados para o local; projectos de reabilitação urbana de espaços devolutos; ou a aceleração do processo de construção de um verdadeiro parque urbano.
O que se passa com o nosso presidente, perguntarão os bracarenses mais atentos?
Uns dirão que é calculismo eleitoral, por receio que o PS perca as próximas autárquicas, outros dirão que é para auxiliar a actividade económica dos muitos empreiteiros da cidade, que estão asfixiados pela quebra do mercado de construção, outros dirão até que se trata de normal actividade autárquica...
Não sei qual das versões poderá corresponder à análise psicológica de Mesquita Machado. O que sei é que estão previsto projectos muito aguardados e que são uma mais valia para a qualidade de vida e para o património da cidade. Nesse sentido só pode contar com o meu apoio.
Se há conversão ou não, só Deus pode saber!

El Corte Inglés em Braga?

Numa recente entrevista ao Correio do Minho, o director imobiliário do Grupo Regojo, que foi responsável pela construção do Liberdade Street Fashion, garantiu que o grupo 'El Corte Inglés' estaria a construir um empreendimento de raiz em Braga. Ora, já há muito que corria o boato da instalação do grupo comercial espanhol em Braga, só não havia ainda confirmação oficial.
Uma das principais fontes de boatos é o magnífico projecto arquitectónico que está a ser projectado na Avenida Robert Smith, frente ao Minho Center. Será que é o edifício onde será instalado o futuro El Corte Inglés de Braga?
Há algumas questões que não permitem garantir absolutamente esta hipótese: um empreendimento desta dimensão precisaria de estacionamento em quantidade, e este edifício não parece garanti-lo (só se converterem alguns dos pisos da torre em estacionamento em altura); a área ocupada não é muito grande, mas poderia ser rentabilizada por pisos (tal como acontece em Lisboa...); poderá ser apenas alguma loja ou marca do grupo comercial a instalar-se em Braga, e não o tradicional e vasto espaço das lojas do El Corte Inglés...
Hipóteses, a serem confirmadas em breve...

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O problema é mesmo nosso, Jardim!

Instado a comentar os assobios com que foi brindado aquando das substituições, Leonardo Jardim mostrou aparente indiferença e compeltou dizendo "O problema é deles!".
Após a derrota de ontem no estádio do Dragão, onde a apatia e inoperância que actualmente vivem no banco do Sporting de Braga foi manifesta com clareza, é um facto que o problema é nosso, dos verdadeiros adeptos do clube. O problema é nosso, porque somos nós que vamos ao estádio para acompanhar a equipa. Ao sol, à chuva, deixando o carro a léguas do estádio, são os adeptos que vivem as vitórias e as derrotas da equipa. São também os mesmos adeptos que gostariam de continuar a ver Domingos no banco e, sem perceber porquê, vimos o presidente fazer um pré-acordo com outro treinador sem provas dadas ou potencial suficiente para estar no banco.
Mais grave, Jardim! Sem a capacidade para motivar os adeptos... O treinador também tem a obrigação de motivar os adeptos e as bancadas. O que é um clube sem associados? Ou uma equipa sem adeptos?
Se há treinadores que não percebem isso, então deveriam mudar de ramo.

O problema é mesmo nosso... Mas o maior problema é que o presidente, à imagem dos grandes líderes, vai teimar na sua aposta pessoal até já não haver solução para a época desportiva. 
Esperemos que não! Esperemos...

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A Confiança já é património de Braga!

A Câmara Municipal vai confirmar hoje a compra do imóvel. Em breve surgirá o concurso de ideias, tendo desde já a garantia de Ricardo Rio que «é obrigatório a instalação de um museu industrial».
O valor de compra foi muito elevado: 3,55 milhões! Vale assim tanto um edifício devoluto?
Temos agora a oportunidade de fazer crescer a cultura de Braga. Esperemos que seja bem aproveitado!

(a gravura representa uma proposta exibida pelo interessante Projecto 'Braga Tempo' que há uns anos zelava pelo património e discutia o futuro da cidade. Que pena ter terminado! A chaminé que se observa foi, entretanto, demolida...)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A regenerar Braga...

Os projectos de reabilitação urbana já efectuados nos últimos anos pela autarquia e aqueles que há muito estão agendados, podem ser conhecidos em pormenor num novo site da internet disponibilizado pela Câmara: www.aregenerarbraga.com.
Este site pretende dar uma visão ampla de um grande projecto para Braga, com um fundamento a conduzir todos os projectos. Esta visão em rede integrada é essencial para se perceber um objectivo nas obras que são lançadas...todavia, gostava que isto significasse uma mudança fulcral de rumo nas políticas autárquicas.
Será que a Câmara passou a olhar finalmente para a importância de conservar e reabilitar o património natural e urbano? Não iremos ver desaparecer mais nenhum edifício histórico face a interesses particulares? Estão realmente preocupados com a existência de espaços verdes e de lazer?

O que provocou esta mudança? 

Sobre o orçamento e plano de actividades 2012

O orçamento apresentado pela Câmara Municipal de Braga para 2012 prevê um aumento de 13 milhões de euros em relação ao último orçamento. Este facto não se deve a um beneplácito do novo governo em relação à autarquia, mas sim da transferência de verbas do QREN para os projectos a que a autarquia concorreu.
O grande destaque dos investimentos vai para a reabilitação urbana, nomeadamente na conclusão dos projectos de renovação do parque da Ponte, da reabilitação das margens do rio Este e da construção do parque do Monte Picoto (será que é desta?). Além destes projectos estão previstos dois grandes projectos no âmbito da Capital Europeia da Juventude: a reconversão do antigo quartel da GNR em Casa da Juventude e a construção na nova pousada juvenil no antigo convento de S. Francisco em Real. É uma pena que estes dois interessantes projectos - o primeiro de Carvalho Araújo - só estejam prontos já próximo do final do evento.
A Câmara prevê também a renovação de alguns espaços urbanos, há muito tempo anunciadas: Largo da Senhora-a-Branca, Largo Carlos Amarante, Campo das Hortas, rua de S. Vicente e adro do Mosteiro de Tibães.
Projectos já atrasados, será que serão efectuados no próximo ano, ou serão adiados para o ano das eleições? Aguardamos...

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Os 3 pecados mortais do Estádio Axa

O Estádio Municipal de Braga, baptizado comercialmente de Axa, é já uma referência inegável na  engenharia e arquitectura portuguesa e internacional. A atribuição do Prémio Pritzker ao arquitecto Souto Moura, juntando aos prémios Secil que galardoaram o estádio, confirmam a importância desta magnífica obra para a cidade de Braga.
Todavia, o facto de estarmos perante uma mais-valia, não deve servir para mascarar as deficiências evidentes, que se manifestam no serviço à população que usufruiu do estádio. Assim, aponto 3 pecados mortais, que jamais foram comentados pelas entidades competentes:

1. Insuficiência de lugares de estacionamento: não chegarão às duas centenas os lugares disponíveis para o público geral. Como a elite tem lugares reservados no interior do estádio, nunca se aperceberam das distâncias que os sócios do Braga têm que percorrer para chegar ao estádio (que se situa fora da malha urbana e, portanto, exige automóvel).
2. Distância elevada até à entrada do estádio: existe uma longa e inclinada avenida de acesso ao estádio, para quem vier de nascente e uma íngreme e longa descida para quem vier de poente. Uma pessoa que tenha mais de 50 anos chegará ao seu lugar no estádio, completamente sufocado pelo esforço físico. O meu avô nunca mais foi ver jogos do Braga, desde a construção do estádio...
3. Subir o Evereste para chegar às bancadas: a quantidade de patamares com escadas a subir, para quem tem o lugar nas bancadas superiores é inaceitável. Os elevadores são insuficientes e servem apenas quem tem camarote. Como é possível? 

Pedimos ao presidente da Câmara e aos dirigentes do clube que um dia experimentem ir ver um jogo na qualidade de associado 'normal' do clube. Deixem o carro onde tiverem hipótese - na via rápida de Vila Verde...- vão a pé até à entrada e percorram a avenida de acesso ao estádio. No final subam todas as escadas até às bancadas superiores. No final reflictam sobre esta fantástica obra de arte, que tem obrigação de ser mais funcional e de servir melhor aqueles que o irão utilizar.

Muitos bracarenses deixaram de ir ao futebol...

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Enormes guerreiros tramados pelo inventor Jardim

Num grande jogo de futebol, dominado inteiramente pelo Braga, o Sporting beneficiou de uma arbitragem macia e de um treinador que gosta de inventar. Os dois golos do Sporting nascem do mesmo lado: esquerdo!O desastrado Salino foi chamado pela segunda vez ao lado direito da defesa e mais uma vez (tem todas as culpas no golo do Benfica para a Liga...) prejudicou a equipa. Porque não joga Galo ou Paulo Vinícius, já que o Douglão mostra ter nível para ser titular? E as substituições? Só aos 67' Jardim? Porque não jogou o Mérida? E o Lima? Não estará a precisar de banco, tal é a sua displicência nos últimos jogos? E o Paulo César, não podia ter entrado mais cedo? Não percebo esta inoperância... Não percebo...
E Berni? Veja-se o que fez Domingos... Rui Patrício foi titular! E a diferença do jogo foi mesmo o banco. Porque no jogo, o Braga foi claramente superior. O dobro dos remates, mais ataques, posse de bola, cantos e livres. O Sporting só foi melhor no número de faltas e de cartões, estatísticas em que ninguém gosta de ser superior. Foi também superior no banco, porque tem um grande treinador!

domingo, 20 de novembro de 2011

Caro Domingos Paciência...

Caro Domingos Paciência,

Estou-te imensamente grato pelo que fizeste pelo meu clube. Diria mesmo que dificilmente verei um dia alguém fazer o que tu fizeste. Colocar o Braga numa final europeia, por muito que sonhasse não sei bem se acreditava ser possível. E mais... Mesmo que um dia sejamos campeões nacionais - e acredito piamente que é possível - não terá que ser um feito mais destacado que o nosso 2.º lugar de 2009/2010. Porque te digo isto? Porque só não fomos campeões pelas jogadas baixas e sem nível do nosso adversário. Fizeram tudo para nos abater, movendo a sua grande rede de influências. Não ganhamos. Mas obrigamos a lutar até à derradeira jornada aquela que dizia de si mesma ser ' uma super equipa'...
Obrigado Domingos! Jamais poderei apagar da minha existência as alegrias que o meu Braga me deu nos últimos dois anos.
Foste dos treinadores mais carismáticos que vi passar por aquele banco...e já vi muitos. Sou do Braga desde pequenino, sem o mínimo de engano. Isto porque entendo que o treinador não tem que ter apenas bons resultados! E qualquer um que passe por aquele banco está condenado a ganhar muitas vezes, no contexto presente... Um treinador deve contagiar os jogadores, não apenas com tácticas, mas com entusiasmo, contagiando as bancadas e os adeptos com motivação e querer. E isso, Domingos, tu sabias fazer!
Por tudo isto, é grande o desgosto de te ver no banco adversário. Sei que um dia voltarás! Sei que também manifestaste vontade de ficar... E nós, bracarenses, também te queríamos.
Mas hoje vais perder...sem que isso te manche a competência. Fico a torcer por ti no próximo jogo do campeonato! Fico mesmo!
Antes desse desaire, não posso deixar de ser-te grato, por isso aqui te deixo as minhas palavras.

Até logo! E...vê se não sofres muito, afinal também és nosso. Serás sempre!
Cá te esperamos em Janeiro.

Saudações braguistas,

sábado, 19 de novembro de 2011

Ideias para Braga: estátua a D. Diogo de Sousa

Todas as cidades têm os seu heróis e figuras preponderantes na sua história. Braga também as tem, com a agravante de parecer pouco as estimar. 
O facto do crescimento demográfico intenso da cidade ter proporcionado uma diversidade de proveniências muito vasta, é factor para uma quebra da própria identidade da cidade. Há que fazer ver aos novos bracarenses as tradições, história e factores de identidade. 
Parece-me que esse fenómeno de busca de identidade se tem intensificado. Os novos bracarenses aceitam e integram as tradições de Braga, criam novos fenómenos (como é o bananeiro no Natal, que atingiu proporções nunca imaginadas...) e sentem os sucessos e insucessos da cidade (veja-se o fenómeno Sporting Clube de Braga).
Todavia, ainda está por homenagear grande parte dos protagonistas desta tão fiel como antiga cidade de Braga. Nas principais cidades europeias observam-se grandes estátuas e monumentos a essas figuras incontornáveis. Aqui ficamo-nos por nomes de escolas ou museus e um colóquio ou congresso de quando a quando.
D. Diogo de Sousa é incontornavelmente o maior vulto da história de Braga. Arcebispo entre 1505-15032, lançou as bases do urbanismo da cidade até quase ao século XX e voltou a torná-la grande, numa altura em que poderia ter sido condenada ao esquecimento. Os descobrimentos abafaram as cidades que não estavam junto ao mar - Coimbra salvou-se por causa da Universidade... - e D. Diogo de Sousa, conhecedor da Roma renascentista, dotou Braga de novas ruas e espaços urbanos, mandou construir novos templos, fontes e infra-estruturas para o comércio. Convidou artistas para virem trabalhar em Braga e assistiu à fundação de novos conventos e promoveu a existência de formação superior, através da fundação do Colégio de São Paulo.
Lisboa homenageou o homem que a reconstruiu com a maior estátua do país, Barcelona destaca a sua estátua a Colombo...e Braga não poderia ter uma grande estátua a D. Diogo de Sousa?
Quantos bracarenses sabem o que a sua obra e administração significou para a cidade?

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Quanto vale a cadeira de Mesquita?

Que Mesquita Machado fica para a história da cidade de Braga já ninguém certamente terá dúvidas. 37 anos no poder, num regime democrático e desafiando um eleitorado dinâmico - dado o acréscimo demográfico significativo em cada sufrágio - representa seguramente mérito, trabalho e dedicação. Mesmo os mais ferozes críticos da sua gestãos, estarão aptos a reconhecer-lhe as virtudes. António de Oliveira Salazar esteve 36 anos como Presidente do Conselho (1932-1968), sem nunca ter sido desafiado num sufrágio universal!
Mesquita Machado abriu as portas para um ciclo de desenvolvimento notável, com diversos pecados é certo, mas com uma marca indelével na história da própria cidade. Provavelmente teria sido melhor retirar-se um pouco mais cedo... Quem sabe?
A verdade é que quando um partido se instala muito tempo no poder se corre o risco de cair em certos ciclos viciosos que se podem tornar perigosos numa gestão autárquica. É difícil sair do poder, mas mais importante que o poder é o serviço à população e deve ser essa a medida dos sucessos e dos fracassos.
Aconteça o que acontecer, as autárquicas 2013 serão um grande desafio para Braga. Fica mal ao Partido Socialista local cair numa luta sem quartel pela sucessão de Mesquita Machado. Mais importante do que o rosto do partido é o projecto que irá ser sufragado pelos eleitores. 
O que nós, bracarenses, queremos saber é o que pensa o Partido Socialista sobre o futuro da cidade? Que responsabilidades assume sobre a situação presente? Que projecto de desenvolvimento têm? Quais são as prioridades? Que grau de independência existe face a certos interesses privados?
Sabemos que o valor da cadeira de Mesquita Machado é incomensurável, todavia o peso da responsabilidade de governar a terceira cidade do país deverá ser significativamente maior...

domingo, 13 de novembro de 2011

A propósito da fábrica Confiança

Após o anúncio da intenção de adquirir o imóvel da antiga fábrica Confiança pela Câmara, em negociações conduzidas pela oposição, surgiu um coro ineludível de críticas. Não percebo.
É certo que vivemos tempos de contenção financeira, que também afecta a autarquia bracarense, mas zelar pelo património, neste caso pelo último exemplar das históricas fábricas bracarenses, não pode nunca ser encarado como desperdício. Quando a autarquia apresenta um plano de investimento na reabilitação urbana superior a 80 milhões de Euros, porque não enquadrar este projecto nesse plano? Quando se apoia a reabilitação de dois centros comerciais que, na minha opinião, não têm futuro - e não ouvi ninguém pronunciar-se sobre isso...- porque não apoiar a reabilitação do último exemplar da cintura industrial de Braga, que se localizava entre o Monte d'Arcos e São Vítor-o-velho?
A cultura não é desperdício, é investimento no futuro. Será essencial os futuros bracarenses olharem para a sua cidade e não verem apenas cimento e prédios altos, mas poderem percepcionar um pouco dos vestígios do que foi a sua cidade.
Deixemo-nos de lutas político-partidárias (eu apoio porque vem do partido x, ou rejeito porque vem do partido y...) e passem a zelar por Braga, pelos bracarenses e pelo seu futuro.
Eu apoio a Confiança!
Aguardo com expectativa a discussão pública de ideias sobre o destino a dar ao edifício.

Parabéns Quim!

O guarda-redes do Sporting de Braga completa hoje 36 anos. Quim contabiliza um currículo impressionante ao serviço do clube: 218 jogos em 12 épocas, num total de 19.510 minutos com a camisola arsenalista.
De regresso à ribalta na presente época desportiva, depois de uma grave lesão que adiou o regresso à competição, Quim apresenta-se em grande forma, contribuindo para a melhor defesa do campeonato (4 golos sofridos em 10 partidas). Chamado de novo á selecção portuguesa, 3 anos após a última convocatória, o guarda-redes viu-se relegado nas últimas opções de Paulo Bento, por supostamente 'fazer sombra' ao menino de ouro do seleccionador nacional. 
Caso Quim não volte a ser chamado, Portugal perde provavelmente o seu melhor guarda-redes da actualidade, a fim de satisfazer a 'teimosia' do seu timoneiro...

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Santos da Cunha 100 anos depois...

António Maria Santos da Cunha, o mítico presidente da autarquia bracarense entre 1949 e 1961, completaria hoje um século de vida. Sabemos bem o quanto demorou a estátua que hoje se vislumbra na praça do Condestável, uma justa homenagem a um homem que lutou pelo engrandecimento de Braga, e que colocou os interesses dos cidadãos acima dos próprios. É pena que o preconceito, por se tratar de uma figura do Estado Novo, apague a possibilidade de lhe reconhecer os méritos. Rasgou as novas avenidas, nomeadamente a Rodovia, construiu o novo mercado municipal, remodelando diversos espaços urbanos e traçando novas ruas e urbanizações. A nova Braga começou por ele e despertou do marasmo a que o Estado Novo parecia ter condenado a cidade. Recorde-se que a intenção de Salazar era tornar Coimbra no terceiro pólo urbano português, isto porque Braga até 1926 detinha esse título. Santos da Cunha contrariou a intenção do ditador...
É notável o amor que confessava por Braga, sendo um bairrista sadio, que saía para a rua para mobilizar os bracarenses a irem até Aveiro apoiar o Sporting de Braga ou para saúdarem o Chefe de Estado num dia de temporal, para não deixar ficar mal a cidade e os seus habitantes. Amigo das instituições do concelho, numa célebre homenagem confessou "cada homem tem a sua paixão; a minha é a da terra!".
Sou democrata, de centro-esquerda e bracarense, por isso não deixo de lhe prestar uma merecida e grata homenagem. Haja mais presidentes da câmara assim!!!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Salvar o centro histórico...antes que seja tarde!

Caros amigos,
Eis uma foto de um empreendimento que estará a ser projectado pela Rodrigues e Névoa no quarteirão da rua do Carvalhal, do Carmo e Campo da Vinha. Neste projecto está contemplada a destruição do palacete Domingos Afonso da autoria de Ernesto Korrodi. Caso a Câmara, que ultimamente tem sido surpreendentemente diligente em apresentar projectos de reabilitação urbana e espaços verdes, permita este projecto, fica provada a incúria face aos interesses dos cidadãos e da própria cidade. Um presidente de Câmara não pode permitir tal atentado, isto se a sua prioridade não for o interesse económico de alguns cidadãos...
Lutemos pela nossa cidade! Antes que seja tarde...

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Património Maior: Braga recupera Confiança!

Trata-se de uma grande notícia para a cidade de Braga e para o seu património industrial. A fábrica Confiança estará prestes a ser adquirida pela Câmara Municipal, presumivelmente para reabilitar o edifício e dar-lhe uma finalidade cultural.
Depois de anos de discussões sobre o futuro deste imóvel, devido aos receios do que a especulação imobiliária nesta zona da cidade poderia causar, a histórica fábrica de sabão irá ver confirmado o seu futuro. Depois da destruição das fábricas Taxa, A Industrial, Social Bracarense e Pachancho, temia-se que também A Confiança se visse destinada a servir de terreno a mais uma urbanização. Desta vez o bom senso parece ter imperado.
Esperamos uma discussão pública de ideias, que possa permitir uma funcionalidade cultural a este edifício.

Braga Cine contra o marasmo cultural

O mais antigo festival de cinema independente de Portugal realiza esta semana a sua 9.ª edição. Organizado pelo clube de cinema da Universidade do Minho, este festival tenta incentivar a cultura cinematográfica bracarense. Realiza-se na Universidade do Minho, em Gualtar, mas bem que poderia utilizar os diversos espaços no centro da cidade, como a casa dos Crivos, Videoteca, Biblioteca ou Theatro Circo... É lamentável que a cidade pareça alheia a este interessante evento cultural da cidade. 
Para quando uma política cultural bracarense, concertada entre as suas instituições e que congregue todas as sensibilidades e valências culturais?

sábado, 5 de novembro de 2011

Braga homenageia...espanhóis!

Trata-se de um pormenor existente na cabeceira da Sé de Braga, visível aos olhos mais perspicazes na rua de Nossa Senhora do Leite, mas traseiras da catedral. Os artistas biscainhos contratados pelo Arcebispo D. Diogo de Sousa (1505-32) para refazerem a capela-mor da catedral, deixaram aos vindouros uma obra notável, onde surge destacadamente a imagem de Nossa Senhora do Leite. No coroamento da platibanda, encobrindo o telhado, observa-se o rendilhado tardo-gótico, quebrado pela existência de gárgulas, que servem para escoar a água dos algerozes. Ora, sendo típico deste tipo de esculturas o escoamento da água pela boca, há uma das gárgulas que surpreende por fazer brotar a água, não pela boca, mas pelo ânus.
Trata-se de uma figura infernal, a fazer lembrar um diabrete, que se aponta a Castela (quando digo Castela, refiro-me mesmo a Espanha...). Uma gracinha quinhentista para com nuestros hermanos, que passa incólume à maior parte dos trausentes.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Heróis à moda do Minho


É certo que se esqueceram da Maria da Fonte, ou até de Viana do Castelo, mas acredito que as opções editoriais não permitam que se fale de tudo. Heróis à moda do Minho é uma interessante obra, contendo cinco histórias que abordam descomplexadamente, e com algum humor, a guerra de D. Afonso Henriques com sua mãe, a amizade de Longuinhos - o cavaleiro do Bom Jesus - com o São João, a Coca de Monção, o Galo de Barcelos ou a tradição do Maio originária de Vila Verde... No final temos um interessante dicionário que decifra as expressões típicas da gíria minhota.
Para uma leitura descontraída de fim-de-semana!

Serão as capas dos jornais um reflexo da realidade?


O Sporting de Braga foi a única equipa portuguesa a vencer, e categoricamente, nesta jornada europeia. Todavia, para os jornais que analisam o fenómeno desportivo, isso não passou de um facto menor... Isto se nos basearmos nos destaques das capas dos jornais.
Talvez segunda-feira sejam obrigados a colocar o Braga na capa. Ou arranjem algum pseudo-caso - com fotos - para justificar a queda do 'seu' clube...

Venham os grandes, que o Enorme chegou!

O Sporting de Braga venceu inapelavelmente o Maribor da Eslovénia por 5-1. Nada melhor que esta vitória para motivar a equipa para um terrível ciclo em que terá que defrontar Benfica, Sporting e Porto sequencialmente. No ano passado aconteceu uma situação semelhante, e talvez inédita. O Braga recebeu o Benfica para a Liga Europa, disputou a última jornada com o Sporting e perdeu a final de Dublin com o Porto. O saldo foi negativo... Desta vez aguardamos um melhor desfecho!
Assim o nosso meio-campo não se deixe contagiar com a letargia que, por vezes, vem do banco de suplentes.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Os adeptos têm sempre razão...

Muitos comentadores desportivos e jornalistas da especialidade (à excepção do 'grande' Luís Freitas Lobo, que hoje aponta com muita objectividade os motivos dos apupos...) criticaram abertamente a atitude de protesto adoptada pelos adeptos bracarenses no final do jogo com a Académica. Insinuam que os adeptos estão mal habituados, que não têm noção da exigência que colocam sobre a equipa ou que os resultados não justificam tal atitude...
Porém, recordamos que a opção de não renovar o contrato de Domingos e de contratar Leonardo Jardim nunca colheu simpatia na maioria dos sócios do Sporting de Braga. (Custa perceber que o Domingos irá ter muito sucesso...quando podia estar a ocupar o banco do Axa) Acrescente-se as decisões do treinador no jogo de Vila do Conde, Young Boys, Leiria, Maribor, Brugge ou Coimbra...substituições tardias ou retraídas, pouca ambição manifestada para os jogadores, apatia e falta de carisma que se desvela nas conferências de imprensa ou na forma como está no banco. Joga sem médio criativo, castrando o meio-campo de criatividade e eficácia no lançamento do ataque. 
Nesta época desportiva há jogos em que objectivamente o Braga poderia ter ido muito mais longe. Não é exigência desmedida, é vontade de ganhar! Mesmo quando não ganhamos, sentirmos que tudo foi feito para tal.
É isto que tem faltado. É por isto que os adeptos justamente protestam. E o responsável tem um nome: Leonardo Jardim! Isto, senhores jornalistas, é objectividade. Analisem os jogos e depois escrevam!

A fonte voltou ao Toural!

Uma boa notícia para os amantes do património: a fonte quinhentista já está a ser recolocada no mítico largo do Toural, autêntico centro cívico da cidade de Guimarães. Trata-se de um fontanário muito semelhante ao que existe no Campo das Hortas em Braga ou na praça da República de Viana do Castelo. Recordar que também o de Braga se situou durante cerca de três séculos na principal praça da cidade, tendo sido deslocalizado nos finais do século XIX.
Seguramente que Guimarães fica a ganhar com a 'correcção' do erro passado. Assim sirva de modelo para outras cidades...